gamerslance.com

Sword of the Necromancer - Revisão da versão PlayStation 4


Sword of the Necromancer é um RPG de masmorras com elementos roguelike, onde você pode trazer os inimigos caídos de volta à vida para lutar ao seu lado.

Desenvolvido pela Grimorio of Games e publicado por duas editoras: JanduSoft e Game Seer Ventures, o título foi lançado oficialmente em 28 de janeiro de 2021 para Nintendo Switch, PlayStation 4, Xbox One, Steam, Xbox Series X / S e PlayStation 5. Nós nos importamos também para agradecer à JanduSoft por nos fornecer um código de versão do PlayStation 4.




Se você está curioso para saber o que pensamos deste novo roguelike, basta ler nossa análise.

A morte é só o começo

Tama ela é uma ex-ladra encarregada de escoltar a sacerdotisa Koko na sua peregrinação para o continente. O jogo abre com a morte deste último, e com a intenção do protagonista de arrastar o corpo da sacerdotisa para a Cripta do Necromante, onde as lendas contam que um poder que pode trazer os mortos de volta à vida está escondido.

Levado pelo desespero, Tama descerá ao calabouço com o objetivo de obter o poder proibido de necromancia, ignorando os perigos que se escondem nas sombras.

O jogo começa logo na entrada da masmorra, nosso objetivo, na verdade, será chegar até o fundo dela. A cada andar que passar viveremos a história de Tama e Koko, desde a forma como se conheceram até a morte da jovem Koko num estilo muito semelhante ao dos light novels (ilustrações com muito texto).




A história de amor das duas garotas é muito legal, proporcionando uma agradável pausa da jogabilidade roguelike dentro da masmorra, todas acompanhado por excelentes ilustrações feitas à mão.

Lute, morra, repita

Vamos agora falar sobre a jogabilidade, a peça central da Espada do Necromante, que como mencionado acima é um roguelike com elementos de dungeon crawler com geração de nível procedural.

Isso então resulta em elementos gerados aleatoriamente: estes variam de andares a quartos, bem como os inimigos, objetos, armas e relíquias que encontramos neles. A única coisa que não muda são os chefes e seus quartos, que permanecem padrão. Matar inimigos você ganhará pontos de experiência.

O que acontece quando você morre na masmorra? Simples, você retorna para a entrada da masmorra onde o corpo de Koko reside, e teremos que começar de novo a partir do primeiro andar, independente de qual andar tenhamos chegado.

Enfim, mecânicas clássicas típicas do gênero, com a diferença que aqui o jogo será mais punitivo, pois não só perderemos todo o equipamento, mas também voltaremos ao nível 1.

Não teremos nada como pontos de experiência que nos permitam aumentar nossas vidas ou adquirir novas habilidades passivas (mecânica recorrente em vários títulos do gênero como células mortas o Inferno).

Talvez um pouco cruel e punitivo, mas felizmente aqui as configurações do jogo são úteis. Na verdade, após algumas mortes, teremos a possibilidade de alterar algumas configurações antes de entrar na masmorra, como por exemplo a dificuldade do jogo e a possibilidade de manter o nível adquirido e l'equipaggiamento.




Antes de entrar no calabouço teremos a oportunidade de guardar o equipamento em uma caixa para não perdê-lo, ou para atualize as armas por meio de uma espécie de elaboração com materiais recuperados durante a exploração.

Finalmente, vamos falar sobre o a mecânica mais importante do jogo: Transforme inimigos em aliados. Usando a Spada do Negromancer podemos trazer monstros derrotados (exceto chefes) de volta à vida e fazê-los lutar ao nosso lado.


Uma mecânica que achamos muito legal e divertida de usar, com os monstros que ficarão conosco até o seu desaparecimento. Serão convocados ao nosso gosto, eles receberão experiência e subirão de nível ganhando novas habilidades.


Os monstros que recrutamos terão habilidades aleatórias, então em alguns casos pode ser sábio substituir o monstro que temos, mesmo que seja do mesmo tipo.

Como já mencionado, ser capaz de recrutar monstros derrotados de vez em quando é uma mecânica interessante, o que, no entanto, não é suficiente para tornar o título suficientemente original. A fluidez geral nas fases jogadas parecia reduzida para nós, especialmente se você olhar para títulos como Dead Cells ou Hades.

De um ponto de vista puramente técnico, o título ostenta uma pixel art bastante básica nas seções dedicadas à jogabilidade, sem flashes criativos particulares. Discurso diferente no que diz respeito às ilustrações usadas para dar continuidade à narração, que gozam de uma obra de arte valiosa.


Em conclusão

Em suma, Espada do Necromante é um jogo divertido que pode agradar a diferentes tipos de jogadores graças à variedade de configurações de dificuldade.

Certamente este título não representa o maior expoente do gênero roguelike. Se você quiser algo mais, aconselhamo-lo a procurar outro lugar, mas se estiver disposto a ceder, então encontrará um título divertido para passar várias horas.



Adicione um comentário a partir de Sword of the Necromancer - Revisão da versão PlayStation 4
Comentário enviado com sucesso! Vamos revisá-lo nas próximas horas.