gamerslance.com

Dark Souls 3: The Ringed City - Revisão

O fim do mundo, a chama que se apaga, o ciclo que termina. Quase um ano se passou desde o advento de Dark Souls 3 em nossas casas e nestes dias vivemos uma última jornada conturbada dentro do Universo habilmente bordado por Hidetaka Miyazaki. Depois do polêmico e polêmico DLC “Ashes of Ariandel”, a From Software conclui a saga que mudou o recente mercado de videogames, iconizou um Autor e deu origem a um novo subgênero na Indústria: the Soulslike.

A Cidade Anelada tem, portanto, a árdua tarefa de fechar um Círculo, dando sentido ao Preço de € 24.99 do Passe de Temporada e fornecendo respostas concretas aos seus Fãs que durante anos especularam sobre as teorias mais díspares sobre o "Lore" da Trilogia e o universo é tão fantástico quanto misterioso.





 

Uma Pilha de Lixo

Gostaríamos de salientar imediatamente que nesta revisão haverá spoilers sobre alguns aspectos do título que são necessários para analisar profundamente a validade do trabalho; nada, no entanto, que possa prejudicar a surpresa e o prazer deste Conteúdo Adicional.

Existem duas maneiras de acessar a cidade anelada: uma é ter concluído "Ashes of Ariandel" e a outra é chegar à fogueira antes do chefe final. Partindo dessas premissas, a From Software imediatamente esclarece as coisas: é melhor estar no jogo final para lidar com esse conteúdo. Na verdade, o DLC é brutal, difícil, quase um verdadeiro desafio especialmente contra os veteranos dos Souls, culpados de ter definido o último capítulo da saga mais fácil do que poderíamos esperar.

A primeira área de jogo imediatamente coloca uma pressão sobre o jogador. Existem alguns Anjos, já conhecidos na versão Vanilla do título, que lançam feitiços a cada passo tornando muito difícil explorar o mapa; uma mecânica muito parecida com a que vimos em BloodBorne, com o Ex Hunter Djura atirando com um Gatling da Torre de Old Yarnham, mas que neste caso acaba sendo muito mais frustrante, tornando-se quase um “Trial and Error”. Portanto, é precisamente o "Heap of Waste" (nome da primeira área do DLC) que é a parte menos bem-sucedida de toda a Expansão que, sendo muito linear e pouco inspirada em termos de Design, às vezes pode ser frustrante até para especialistas no trabalho da From Software.




O fim de um ciclo

Uma vez na "Cidade dos Anéis" tudo muda e o Level Design, que fez milhões de jogadores se apaixonarem, mostra-se em toda a sua glória. Um mapa aberto que se desenvolve verticalmente e horizontalmente, cheio de segredos e "Atalhos", como a Série nos acostuma. Não faltam citações à Trilogia Dark Souls, com referências em particular aos dois primeiros capítulos, que farão as delícias dos mais ávidos especuladores. É preciso dizer que em alguns pontos o posicionamento dos Inimigos parecia mal calibrado, como costumava acontecer em Dark Souls 2, com consequente dificuldade em chegar a um ponto preciso da Fogueira (Rushando), sendo quase forçado a ter que abater todos para fazer o seu caminho.

O enredo, infelizmente, tende mais a fechar o arco narrativo que abriu com "Ashes of Ariandel", ao invés de responder a todas as questões não resolvidas e pendentes desde as primeiras Dark Souls, lamentamos um pouco. Teríamos então esperado pelo menos uma Cut-scene final, que poderia parar a narração, ou pelo menos preencher algumas lacunas adiadas nos últimos anos.

Mas a qualidade de "The Ringed City" consegue superar a falta de respostas com conteúdo de qualidade, novo equipamento, novo Covenant, missões interessantes; em particular o de Lapp, morto-vivo esquecido perto do vazio, o que resultará em uma reviravolta notável e certamente apreciável para fãs de longa data.

4 chefes e mais do que um funeral

O DLC é apresentado em sua totalidade com quatro novos Boss Fights, todos perfeitamente feitos e variados, um dos quais é opcional, que estamos convencidos de que será apreciado pelos fãs das Obras de Miyazaki. Terminamos The Ringed City em pouco mais de 10 horas, peneirando todos os segredos, destruindo cada recanto e recanto das áreas de jogo e derrotando todos os chefes disponíveis. Além disso, deve-se acrescentar que o DLC também oferece novos conteúdos para PVP, com novos Mapas e Encontros dedicados, com a possibilidade de desafiar outros jogadores até um máximo de 4 vs 4.




Uma última nota que dedicamos ao final (?) Que, para ser desfrutado (?) Na íntegra, requer o primeiro DLC, escolha que a nosso ver não é muito apreciável, principalmente para quem queria ou só podia comprar este Conteúdo Adicional.



Comentário Final

The Ringed City oferece conteúdo de qualidade, vasto e desafiador, uma experiência que marca o fim de uma saga que entrou por direito no Olimpo dos Videogames. Ele poderia ter feito melhor, concluindo uma narrativa “Ciclo” com respostas que os Fãs esperam há anos, mas que Miyazaki, talvez, nunca tenha se interessado em dar. Provavelmente, se os dois DLCs tivessem saído como um único pacote, certamente teria ultrapassado as alturas qualitativas alcançadas por “The Old Hunters” e dado uma conclusão inesquecível para esta magnífica Trilogia. Um ciclo acabou, a chama está adormecida, apenas as cinzas permanecem.




DARK SOULS 3 TRUQUES ❯
Adicione um comentário a partir de Dark Souls 3: The Ringed City - Revisão
Comentário enviado com sucesso! Vamos revisá-lo nas próximas horas.