gamerslance.com

7º Código Dragon III: VFD - Revisão


O que um jovem do Japão faz por volta do ano 3000, em um mundo de ponta e repleto de tecnologia, para se distrair do dia a dia? De um dia inusitado, a aventura começa.

Uma organização, que leva o nome de Nodens Enterprises, dá a possibilidade de aceder através de um bilhete especial, a sua nova atracção: um jogo de realidade virtual, que através de uma cabina especial equipada com visualizador, permitirá comunicar com o meio ambiente. jogos. Felizmente, para conhecer o protagonista estará Mio Nogumo, uma menina de quatorze anos que nos ajudará a entrar na sala. Este protagonista, cujo nome será dado pelo jogador, obviamente poderá vencer no jogo organizado, auxiliado por Mio e duas outras personagens, dando-se conta de uma verdade inesperada: a camuflagem de Nodens, que nada mais é do que uma empresa especializada em encontrar as várias amostras de dragão que viveram no passado como Nyala. Na verdade, através da organização do jogo voltado para o público do homem comum, passa-se a conhecer o homem, a espécie perfeita em posse.
de habilidade rara, capaz de levar dragões. A empresa organizadora em questão é uma pequena parte do grande projeto do governo que recentemente mudou da América para o Japão. A presidente do “pequeno” núcleo é Allie Nodens ajudada por Jurota Tomari que vai preferir ser chamada de Julieta. Eles serão a principal fonte de conhecimento do andamento das missões e das novidades da sede.




Apesar das possíveis dúvidas do protagonista (na verdade sempre teremos pelo menos duas opções disponíveis nos diálogos sobre o que responder), ficaremos cientes do nosso objetivo e permaneceremos dentro da empresa, que além de um verdadeiro romance com sci-fi e tons fantásticos nos levará da entrada secundária a um mundo real próprio, com dormitórios, salas de reuniões, terraços, laboratórios, salões e outras salas, totalmente acessíveis e exploráveis, que podem ser construídas pelo jogador ao adquirir o DZ. DZs aumentam caçando dragões e inevitavelmente diminuem com seu uso. Isso fará do protagonista o verdadeiro líder e força motriz de toda a ação. Além do destino da humanidade, aliás, quem diz que não encontra espaço para a criatividade? Por outro lado, numa localização da base estarão dois simpáticos gémeos que nos darão a possibilidade de criar espaços, aumentar o número de armas, acessórios e objectos disponíveis. Quanto mais alto o nível, maiores são os efeitos e o custo. Se estiver com pouco dinheiro, diferente do DZ, estarão disponíveis missões secundárias, em média mais leves em termos de temas ou dificuldades, nas primárias. À frente da direção, encontraremos Allie, uma chefe eufórica, mas igualmente capaz de lidar com a situação nos momentos certos. Ela vai explicar a contradição ligada aos dragões: o VFD (primeiro elemento do título do jogo), é o verdadeiro dragão responsável pela criação e destruição, um contraste incrível que levou à calamidade, contaminação do planeta e, finalmente, ação direta do real dragões (sete no total, isso explicará o número próximo ao título do jogo).




Como no passado os dragões foram mortos pela Equipe Murakuma, e posteriormente no desastre ocorrido em 2020 pela Unidade 13, agora caberá à Unidade 13, formada desta vez por nossos personagens, para libertar o planeta do miasma: recentemente tem havido casos de gripe anômala e os primeiros avisos se devem justamente a tosses repentinas e o futuro para esses assuntos e uma possível propagação não é dos mais brilhantes. Um dos NPCs que não fazem parte diretamente da equipe sentirá tais sintomas, mas seu poder será um tanto principal na jogabilidade: um navegador que nos dará avisos durante as masmorras. Muitos são os interesses em jogo e os propósitos dos protagonistas: a equipe especial da ISDF (Força Tática Especial) formada pelos membros de Yuma Kisaragi e Moritomo Tougo. O primeiro parece ser um jovem novato, de grande força e irredutível diante de grandes perigos; mas, como dirá seu superior Moritomo, o que ele consegue silenciar com a boca escapa de seus olhos. O jovem Yuma, de fato, terá que manter uma certa constância sem enfraquecer, caso contrário será eliminado para o bem da humanidade, por motivos muito profundos e quase éticos que vão marcando seu caminho ao longo da história. Porém, apesar das histórias entrelaçadas e cada vez mais interessantes no decorrer do jogo, seremos avisados ​​por uma estranha criatura, "uma boneca de pano", um coelho que será tudo menos dócil, caprichoso e bem-humorado, que vai iluminar de alguma forma o secções de jogos, embora com uma certa aura de desconfiança.


Ao longo das masmorras grandes e muito largas, iremos encontrar cada vez uma civilização diferente do passado e seus personagens mais proeminentes com suas próprias histórias. Cada masmorra é composta de estradas sinuosas e perigos impermeáveis ​​nos portões: além da barra que degrada do azul para chegar ao vermelho no próximo encontro aleatório, haverá os dragões mais poderosos que serão visíveis no caminho por uma "sombra" roxa. Eles podem ser evitados quase em um jogo furtivo estranho, porém se quisermos ter o DZ ou mais EXP teremos que enfrentá-los, cientes de nossas habilidades, pois isso poderia levar a uma repetição perversa de eventos na jogabilidade para os quais um a batalha uma vez retomada do momento inicial, a implementação das mesmas técnicas levará ao fim do jogo usual. Às vezes, o problema será um nível baixo ou não ter habilidades suficientes. As habilidades são um dos aspectos mais interessantes dos parâmetros expansíveis dos protagonistas: cada classe tem outras diferentes e interessantes, graças às quais você não deixará de criar as estratégias mais díspares. Nem todos estão disponíveis desde o início, mesmo em um nível inferior, na verdade, seremos capazes de adquirir ou implementar recursos por meio da experiência acumulada. A variabilidade das habilidades é dada pelas classes, em boa quantidade como o samurai, o agente (as técnicas do hacker, as armas e o suporte são muito peculiares), a mão de deus (que não será apenas um branco mágico), o duelista (um mágico, definível como "negro" que evocará principalmente criaturas, cada uma com seu próprio elemento e efeito) ... em suma, o número se expandirá com o andamento da história, e eles nunca são repetitivos e têm características de ataque, sinergistas e vários feitiços. Observando a quantidade de aulas, você não terá mais opções ao atribuir uma aula em vez de outra.




O que poderia ser um dilema pode ser dissolvido pela possibilidade de criar mais personagens que a qualquer momento podem se tornar o protagonista ou a equipe principal. Se por um lado o anonimato do protagonista será desviado do fato de ele ser o único a interagir com os NPCs (e nunca com nossos outros personagens, com exceção das estratégias de batalha); o dos secundários para formar nossas equipes permanecerá inflexível. Na verdade, muitas vezes apesar de estarem os três presentes, sem contar os times reservas, eles não serão considerados nos diálogos e manterão essa característica de complexidade que sempre os fará aparecer para o jogador como presenças estranhas e úteis apenas para realizar o missão ou missões. Na verdade, eles deverão ser criados além do protagonista em número de pelo menos dois, desde o primeiro momento. A aparente falta de customização parece querer ser escondida com a limitação dada pelos personagens pré-construídos, que irão aumentar em número ao longo do jogo. Além disso, para fazer você esquecer a ausência de personalização de detalhes, cada personagem terá a oportunidade de ter um estilo variante, e uma gama de cores para cada estilo à sua escolha. Além disso, haverá a decisão dos itens a serem selecionados com base no tipo ou ator que se presta à interpretação. Se as dúvidas persistirem a este respeito, embora os personagens sejam estilisticamente muito diferentes uns dos outros e pareçam protótipos que cada um gostaria de seu próprio personagem, mas cortados pela raiz pelos limites dos diálogos e por serem assuntos "fantasmas", as fases do jogo e a ênfase dos outros personagens não jogáveis ​​e fundamentais para os fins da trama, será capaz de equilibrar tudo, principalmente se você estiver procurando por um JRPG antiquado.


Na verdade, este nicho JRPG chega à Europa apenas em formato digital, além de ser o primeiro título da série a chegar, ele se firma como um sólido RPG japonês caracterizado pela estratégia por turnos, exploração e interação com o ambiente e pessoas durante a viagem. Em particular, nas fases de luta terá uma configuração quase calabouço já que em nossa tela a síntese do LP, MP, estados, e em correspondência aparecerá a figura do personagem com o monstro à sua frente (na parte superior tela); a equipe de suporte que no turno reserva irá apoiar com ações sinérgicas e de cura, ou apenas uma a critério do jogador poderá entrar no jogo com sua jogada na virada de um personagem principal criando a habilidade de camaradagem (esses personagens de as equipas secundárias e a disponibilidade das competências atribuídas por uma barra, serão visíveis, em vez disso, no ecrã inferior). Se a batalha ficar muito difícil, dependendo da complexidade do monstro, aparecerá uma opção: o modo de exaustão aumenta a força de ataque e os efeitos de cura, mas uma vez usado termina completamente e seu carregamento demorará muito.


Comentário Final

Uma coisa é certa: o tempo todo na tela encontraremos personagens, de humanos a monstros, mesmo os mais temíveis, com um estilo "chibi" que se encaixa perfeitamente em um estilo particularmente japonês, que pode não ser devidamente apreciado no fronteira. Graficamente, porém, o estilo se conecta com toda a história com tons cômicos, mas também fantásticos e mais sérios, típicos de um público japonês. Na verdade, o estilo adotado cumpre seu dever em um console portátil com óbvias limitações estruturais, mas não menos cuidadoso. Na verdade, em média, ele não tem nada a invejar, em termos gráficos, a outros JRPGs. No entanto, outras limitações podem ser dadas pela falta de cópia física ou apenas em inglês para legendas. O som é qualitativamente preciso, mesmo que não possamos dizer o mesmo para a variedade em si ou nas circunstâncias. Entre outras coisas, as referências a outros títulos da Sega, como Jet Set Radio, são interessantes, não surpreendentemente em outros capítulos anteriores uma joia em particular foi a presença do mesmo cantor virtual, Miku Hatsune.
Este capítulo desenvolvido pela Sega, 7º Código Dragon III: VFD, parece uma pequena pérola capaz de emergir, em um pequeno console portátil, se tivesse mais espessura no mercado.



Adicione um comentário a partir de 7º Código Dragon III: VFD - Revisão
Comentário enviado com sucesso! Vamos revisá-lo nas próximas horas.